Blog do InJQ

Buscar
  • Equipe InJQ

13 Reasons Why: uma abordagem perigosa sobre suicídio


A nova série da Netflix, 13 Reasons Why, vem gerando muito debate sobre um tema pouco discutido no cotidiano: o suicídio na adolescência. A história se desenvolve a partir do suicídio de uma jovem, que deixa fitas gravadas com relatos de situações que viveu e que considera serem responsáveis por sua atitude. Os motivos para a sua decisão envolvem temáticas complexas como cyber bullying, assédio e violência sexual, homossexualidade e a crueldade que pode permear as relações de amizade no ambiente escolar.

Comentários de todos os tipos inundaram as redes sociais. Alguns defendem a produção e acreditam que ela cumpre sua função de discutir o que se propõe, outros entendem que seu enredo é perigoso e trata de uma maneira inadequada a temática do suicídio na adolescência. Independente da qualidade da série, é preciso aproveitar este momento para discutir sobre assunto, com o objetivo de esclarecer as questões que a narrativa aborda.

A adolescência é uma fase complexa do desenvolvimento que se caracteriza pela formação da individuação do adolescente, por intensa impulsividade, períodos de instabilidade emocional e pela forte influência dos grupos de convívio. É necessário lembrar que é estimado uma alta prevalência de transtornos mentais nesse período (em torno de 16,5%), o que pode tornar essa fase ainda mais confusa.

Para os jovens que estão emocionalmente vulneráveis, a série pode causar grande confusão e uma distorção de como se lidar com seus conflitos. É de fundamental importância esclarecer que os adolescentes que estão passando por essas situações, estão em sofrimento e necessitam de auxílio profissional, suporte familiar e redes de apoio que o auxiliem a construir alternativas para lidar com suas dificuldades.

13 Reasons Why retrata também a dificuldade de comunicação entre os adolescentes e seus pais. Esse é um ponto fundamental na percepção de risco nessa idade. É necessário que os familiares estejam atentos ao comportamento e a maneira com que os jovens se relacionam com seu meio. Mudanças de atitude, isolamento e tristeza constante devem servir como alerta.

De modo geral, 13 Reasons Why ajuda a sociedade a refletir sobre o ambiente escolar e o modo como as relações humanas são tratadas nela, visto que muitas vezes as situações de violência e assédio não são percebidas e tratadas adequadamente. Mas do ponto de vista médico, é de extremo risco apontar o suicídio como a única solução para uma situação problemática e principalmente, minimizar a importância do acompanhamento profissional para casos de sofrimento mental.

Falar sobre o suicídio na adolescência é muito importante, mas é preciso que seja feito com todo o cuidado que um tema tão complexo exige, para que esse debate traga a prevenção, e não o estímulo para essa atitude.

Morgana Sonza Abitante

CRM-SC 15677

Psiquiatra da Infância e Adolescência

morgana.abitante@injq.com.br

Destaques
Mais Recentes
Biblioteca

INSTITUTO DE NEUROCIÊNCIAS DR. JOÃO QUEVEDO

NEUROCIÊNCIA, PSIQUIATRIA E ENSINO PARA VIVER MELHOR

Ligue  0800-006-2307 | contato@injq.com.br

 

PSIQUIATRIA | NEUROLOGIA | DEPENDÊNCIA QUÍMICA  

CONSULTAS | ATENDIMENTO DOMICILIAR | INTERNAÇÃO

CRIANÇAS E ADOLESCENTES | ADULTOS | IDOSOS

  • Instagram Instituto João Quevedo
  • Facebook Instituto João Quevedo

Acompanhe as novidades

nas mídias sociais.

Diretora Técnica Médica (Criciúma):

Drª. Kelen Cancellier Cechinel Recco

CRM-SC 13.394 | RQE 10.277

Diretora Técnica Médica (Araranguá):

Drª. Ritele Hernandez da Silva

CRM-SC 11.444 | RQE 11.334

Diretor Técnico Médico (Turvo):

Dr. Rafael Arceno

CRM-SC 18.994 | RQE 14.708