Blog do InJQ

Buscar
  • Equipe InJQ

Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade na infância e a relação com prejuízos na vida adul


O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), caracteriza-se por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade que iniciam na infância, e podem persistir na vida adulta. Sabe-se que além dos sintomas descritos, encontramos também dificuldades em situações como organizar tarefas, manutenção da motivação e da persistência em trabalhos que exijam esforço mental, conclusão de atividade iniciadas ou tomar iniciativas, percepção falha da passagem do tempo, preferência por atividades novas e rapidamente prazerosas. Na maioria das vezes os sintomas são detectados no meio escolar, no entanto é necessário que os prejuízos comprometam o paciente em mais de 2 ambientes, como casa e grupo de amigos, para ser caracterizado como TDAH.

O transtorno é reconhecido pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e é um dos mais pesquisados mundialmente. Atinge cerca de 5,4% da população e pode ser ocasionada por complicações na gestação e parto, uso de drogas durante a gravidez e fatores genéticos, sendo muito comum a presença de sintomas semelhantes em um dos pais ou em parentes próximos.

O diagnóstico é clínico, ou seja, através da entrevista com os responsáveis pela criança, informações da escola e avaliação. Muitas são as dúvidas e inseguranças dos pais diante do diagnóstico, tratamento e manejo comportamental dos filhos. Dessa forma, o vínculo entre o médico, pais e a escola deve ser construído por disponibilidade, psicoeducação (orientações aos pais e educadores em geral ) e reavaliações regulares.

O impacto deste transtorno na vida dos pacientes envolve o maior risco de uso de drogas, gestação não planejada, doenças sexualmente transmissíveis, acidentes de trânsito, problemas legais, fracasso escolar, dificuldades financeiras, desemprego, baixa autoestima, entre outros.

Evidências científicas indicam o uso de psicoestimulante associado a terapia cognitiva comportamental como excelentes soluções para o transtorno. O tratamento precoce irá depender da faixa etária da criança, dos prejuízos existentes e presença de outros transtornos associados. Dessa forma, a estratégia terapêutica deve ser individualizada para que o tratamento atenda as necessidades de cada criança, visando solucionar ou amenizar o problema para evitar prejuízos na vida adulta.

Dra. Roberta Rovere Parker Nicolau

Psiquiatria da Infância e Adolescência

CRM/SC 15145 | RQE 14080 roberta.nicolau@injq.com.br

Destaques
Mais Recentes
Biblioteca

INSTITUTO DE NEUROCIÊNCIAS DR. JOÃO QUEVEDO

NEUROCIÊNCIA, PSIQUIATRIA E ENSINO PARA VIVER MELHOR

Ligue  0800-006-2307 | contato@injq.com.br

 

PSIQUIATRIA | NEUROLOGIA | DEPENDÊNCIA QUÍMICA  

CONSULTAS | ATENDIMENTO DOMICILIAR | INTERNAÇÃO

CRIANÇAS E ADOLESCENTES | ADULTOS | IDOSOS

  • Instagram Instituto João Quevedo
  • Facebook Instituto João Quevedo

Acompanhe as novidades

nas mídias sociais.

Diretora Técnica Médica (Criciúma):

Drª. Kelen Cancellier Cechinel Recco

CRM-SC 13.394 | RQE 10.277

Diretora Técnica Médica (Araranguá):

Drª. Ritele Hernandez da Silva

CRM-SC 11.444 | RQE 11.334

Diretor Técnico Médico (Turvo):

Dr. Rafael Arceno

CRM-SC 18.994 | RQE 14.708