Blog do InJQ

Buscar
  • Equipe InJQ

O perigo por trás dos “calmantes”


Um estudo publicado no jornal científico British Medical Journal em 2014, levantou questões polêmicas a cerca do uso crônico das medicamentos benzodiazepínicos, utilizados no tratamento da ansiedade e insônia (conhecidas como Clonazepam, Alprazolam, Diazepam, Bromazepam, Lorazepam). Neste estudo a médica Sophie Billioti de Gage informou existir uma correlação entre o uso de tais medicamentos e o risco aumentado para doença de Alzheimer.

Na amostra estudada (cerca de 1700 casos), a pesquisa demonstrou que quem fez uso da droga por um período superior a três meses, mas inferior a 180 dias, teve risco aumentado de desenvolver Alzheimer em 32%. Quando o período de uso de um benzodiazepínico passava de seis meses, o risco chegou a 82%.

No ano seguinte, a mesma pesquisadora realizou uma revisão bibliográfica analisando estudos observacionais publicados, tendo avaliado a relação entre o uso de benzodiazepínicos e a demência. Dos dez estudos recuperados, nove relataram um risco aumentado de demência em usuários de benzodiazepinas. O risco aumentou com a dose cumulativa, a duração do tratamento e quando as moléculas de ação prolongada foram usadas.

O que o estudo fez, no entanto, é alertar a todos sobre o uso crônico e prolongado dos benzodiazepínicos. Esses medicamentos só devem ser utilizados conforme as diretrizes internacionais. Tais diretrizes recomendam o uso a curto prazo, principalmente por causa de sintomas de abstinência que tornam a descontinuação problemática. Embora a eficácia a longo prazo dos benzodiazepínicos permaneça sem valor para a insônia e questionável para a ansiedade, seu uso é predominantemente crônico, ao contrário do limite de uso por um mês para o combate à insônia e de três meses para o tratamento da ansiedade conforme as recomendações oficiais.

Os benzodiazepínicos são amplamente utilizados, responsáveis por cerca de 50% de toda a prescrição de psicotrópicos. Estima-se que 50 milhões de pessoas façam uso diário dessas substâncias. A maior prevalência encontra-se entre as mulheres acima de 50 anos, com problemas médicos e psiquiátricos crônicos. Um em cada 10 adultos recebe prescrições dessa classe de medicamentos a cada ano, a maioria feita por clínicos gerais. Apesar de eficientes nos quadros de ansiedade aguda, o uso diário não deve ser recomendado nos transtornos de ansiedade crônica. Nestas situações, embora possam ser prescritos para controle inicial de sintomas ou em momentos de piora do quadro, o ideal é a prescrição de um antidepressivo, medicação que possui ação ansiolítica sem gerar dependência física ou problemas cognitivos de longo prazo.

Antidepressivos e ansiolíticos não possuem as mesmas propriedades farmacêuticas, mas algumas pessoas com depressão não diagnosticadas corretamente são tratadas com benzodiazepínicos.
Grande parte dos pacientes não aguarda o tempo necessário para o antidepressivo iniciar seu efeito terapêutico, que leva entre duas a quatro semanas, e optam por utilizar um ansiolítico pelo efeito imediato inicial. Entretanto, a ingestão a longo prazo pode induzir a dependência física e a tolerância dos efeitos da droga, ou seja, quantidades maiores são necessárias para a obtenção do efeito inicial, ou a pessoa experimenta efeitos diminuídos com o uso contínuo.
As principais desvantagens e os efeitos colaterais dose-dependentes dos benzodiazepínicos são sonolência, letargia, fadiga, sedação excessiva, estupor, "efeitos de ressaca" no próximo dia, distúrbios de concentração e atenção. Estes fármacos podem prejudicar seriamente a capacidade de condução e estão associados a riscos acrescidos de acidentes de trânsito, bem como quedas e fraturas em pacientes idosos.
Portanto, em caso de dúvidas, destaca-se sempre a importância da busca por um profissional médico psiquiatra, para que se faça uma avaliação detalhada a fim de poder obter a melhor opção terapêutica para seu paciente e com um mínimo de efeitos colaterais.
Dr. Rafael Vieira CRM/SC 17446 Psiquiatria – RQE 14800
Destaques
Mais Recentes
Biblioteca

INSTITUTO DE NEUROCIÊNCIAS DR. JOÃO QUEVEDO

NEUROCIÊNCIA, PSIQUIATRIA E ENSINO PARA VIVER MELHOR

Ligue  0800-006-2307 | contato@injq.com.br

 

PSIQUIATRIA | NEUROLOGIA | DEPENDÊNCIA QUÍMICA  

CONSULTAS | ATENDIMENTO DOMICILIAR | INTERNAÇÃO

CRIANÇAS E ADOLESCENTES | ADULTOS | IDOSOS

  • Instagram Instituto João Quevedo
  • Facebook Instituto João Quevedo

Acompanhe as novidades

nas mídias sociais.

Diretora Técnica Médica (Criciúma):

Drª. Kelen Cancellier Cechinel Recco

CRM-SC 13.394 | RQE 10.277

Diretora Técnica Médica (Araranguá):

Drª. Ritele Hernandez da Silva

CRM-SC 11.444 | RQE 11.334

Diretor Técnico Médico (Turvo):

Dr. Rafael Arceno

CRM-SC 18.994 | RQE 14.708