Blog do InJQ

Buscar
  • Dr.ª Bárbara Sawitzki Jost

Estratégias Práticas de intervenção no Autismo


O Autismo, também chamado de Transtorno do Espectro Autista- TEA, é um transtorno do desenvolvimento infantil caracterizado pela dificuldade de interação social e comportamentos restritos e repetitivos. Essas alterações levam a importantes dificuldades adaptativas e aparecem antes dos 03 anos de idade, podendo ser percebidas, em alguns casos, já nos primeiros meses de vida.

Existem várias opções de tratamentos que devem ser realizados sempre por equipes multidisciplinares, o uso de medicações pode ser necessário de acordo com os sintomas apresentados.

Algumas estratégias de manejo diário para as famílias da criança com autismo podem ajudar:

- A criança com TEA gosta de manter comportamentos repetitivos e rituais diários. Estabelecer rotinas estabelece ordem e previsibilidade e ajudam a controlar a ansiedade. Fazer uma agenda com a criança dos acontecimentos diários podem ser úteis na organização da criança. - Quando for necessário quebrar rotinas é importante que seja realizado um planejamento prévio para que a criança consiga lidar com a mudança ou acontecimento que gere estresse. Um cronograma visual pode ajudar a se sentir preparada diminuindo a dependência das rotinas inflexíveis. - Quando o comportamento repetitivo traz prejuízo para a criança limitando a aprendizagem, convívio com outras pessoas, limitando suas atividades sociais devemos intervir para corrigir este comportamento. Observar o que possa estar causando o comportamento, fazendo mudanças pequenas e graduais. Outra maneira de tentar corrigir é realizar outra atividade agradável. Estabelecer limites- racionar objetos, racionar lugares, racionar o tempo. - A maioria das crianças com TEA costumam ter uma dependência muito grande dos pais em atividades de vida diária como alimentação, banho, vestir-se. Estimule seu filho a realizar pequenas atividades independentes, com o tempo ele irá adquirir novas habilidades que serão importantes para desenvolver sua autonomia e independência.

Além disso, o Autismo costuma vir associado a algumas comorbidades, como: transtorno de ansiedade, déficit de atenção e hiperatividade e distúrbios do sono.

Consultar um neurologista infantil para identificar esses sintomas e a melhor terapia, bem como a necessidade de uso de medicação, é fundamental para o progresso da criança.

Dra Bárbara Sawitzki Jost

Especialista em Pediatria-RQE- 16823

Especialista em Neurologia Pediátrica- RQE-16849

Destaques
Mais Recentes