Blog do InJQ

Buscar
  • Dr. José Aires Maggi Coelho

Depressão na Menopausa


Nos períodos de perimenopausa (que antecede a menopausa) e de menopausa (reconhecida depois de passados 12 meses) ocorrem sintomas físicos e psíquicos.

Dentre eles, estão os fogachos (ondas de calor), ressecamento vaginal, ansiedade, insônia, alterações de humor, prejuízo de memória, tristeza, desesperança, diminuição da libido, risco de suicídio e alterações de comportamento.

Conforme estudos, as mulheres com histórico de depressão são expostas a um período de perimenopausa mais longo, estando relacionadas a um maior risco de depressão.

Principais sintomas

Os sintomas mais relevantes de depressão nessa fase são:

  • choro fácil;

  • falta de energia;

  • irritabilidade;

  • dificuldade de concentração;

  • alterações de sono provocados pelos calorões noturnos;

  • ansiedade;

  • mau humor.

Disfunções hormonais e sexuais

Alguns estudos associam os sintomas de depressão na perimenopausa e menopausa a uma diminuição dos hormônios estrogênio e progesterona. Um estudo realizado em Harvard concluiu que tanto os sintomas psíquicos podem levar às alterações hormonais quanto as alterações hormonais podem provocar distúrbios psíquicos.

Com a diminuição do estrogênio, há acentuada redução da lubrificação vaginal, da libido e do desejo sexual (disfunção sexual), causando sofrimento para a mulher. A disfunção sexual pode estar relacionada a doenças clínicas da idade, tais como diabetes, hipertensão arterial, colesterol e/ou triglicerídeos elevados, e a doenças cardiovasculares, que são responsáveis pela diminuição da irrigação sanguínea vaginal.

Os fatores culturais, sociais e psicológicos também estão associados e são importantes, principalmente para "lidar" com o envelhecimento, com as alterações hormonais e as alterações anatômicas, tais como a atrofia vaginal, que provoca dor na relação sexual.

Depressão e contextos sociais

A disfunção sexual pode estar ligada também a fatores como depressão e ansiedade.

História pregressa de depressão ou outro transtorno psiquiátrico pode ser um fator de risco para depressão na menopausa. Por isso, é importante, na avaliação da paciente, perguntar-se o que mudou nas relações interpessoais, sociais e familiares nos últimos meses.

Tratamento psiquiátrico

O tratamento psiquiátrico envolve o uso de medicamentos para depressão, e é fundamental para adesão e efetividade do tratamento que não seja um medicamento que diminua ainda mais a libido da paciente.

Outras abordagens do tratamento multidisciplinar envolvem psicoterapia, mudanças comportamentais e dietéticas, estilo de vida saudável, procurar atividades que deem prazer, orientar a paciente a aceitar novos desafios na vida e resgatar convívio com amigos e familiares.

José Aires Maggi Coelho

Médico Psiquiatra

CRM-SC 12.189 | RQE 17.439

jose.aires@injq.com.br

Destaques
Mais Recentes
Biblioteca

INSTITUTO DE NEUROCIÊNCIAS DR. JOÃO QUEVEDO

NEUROCIÊNCIA, PSIQUIATRIA E ENSINO PARA VIVER MELHOR

Ligue  0800-006-2307 | contato@injq.com.br

 

PSIQUIATRIA | NEUROLOGIA | DEPENDÊNCIA QUÍMICA  

CONSULTAS | ATENDIMENTO DOMICILIAR | INTERNAÇÃO

CRIANÇAS E ADOLESCENTES | ADULTOS | IDOSOS

  • Instagram Instituto João Quevedo
  • Facebook Instituto João Quevedo

Acompanhe as novidades

nas mídias sociais.

Diretora Técnica Médica (Criciúma):

Drª. Kelen Cancellier Cechinel Recco

CRM-SC 13.394 | RQE 10.277

Diretora Técnica Médica (Araranguá):

Drª. Ritele Hernandez da Silva

CRM-SC 11.444 | RQE 11.334

Diretor Técnico Médico (Turvo):

Dr. Rafael Arceno

CRM-SC 18.994 | RQE 14.708