Blog do InJQ

Buscar
  • Dr. José Aires Maggi Coelho

Alcoolismo durante o isolamento social da pandemia de Covid-19

O aumento no consumo de álcool durante o período de isolamento social tornou-se uma situação difícil para os dependentes alcoólicos e seus familiares, afetando-os de várias formas, especialmente quando o indivíduo já está em tratamento para o alcoolismo.

A quarentena associada à pandemia pela Covid-19 origina uma série de riscos para a saúde mental, dentre eles o transtorno por uso de álcool.

Aumento da tentação

O uso de álcool em gel ou líquido, associado à ansiedade e ao medo de se contaminar, acentua o desejo de beber bebidas alcoólicas, provocando a recaída dos sintomas.

Observa-se também uma alteração do comportamento familiar devido ao aumento da convivência mais intensa e mais frequente com o usuário de álcool.

Os domicílios, muitas vezes pequenos, com pouca privacidade, geram aumento do risco de violência doméstica, destacando-se aqui, o aumento dos índices de feminicídio.

As medidas restritivas de circulação tendem a desencadear aumento no consumo de bebidas alcoólicas.

Pode virar dependência

Pessoas que beberem mais álcool durante o isolamento social poderão manter esse hábito e, a longo prazo, transformarem-se em dependentes. Para aqueles que tiverem um padrão de consumo moderado, a alteração na rotina pode intensificar o uso.

Dessa forma, situações de estresse devido ao confinamento, medo de contágio e da morte, podem gerar uma série de sintomas psiquiátricos, tornando a situação angustiante, causando sofrimento e difícil adaptação e ainda favorecendo o uso de substâncias, dentre elas o álcool.

Para as pessoas que apresentam transtorno por uso de álcool, existem preocupações adicionais, as de que alguns usuários de bebidas alcoólicas possam apresentar sintomas sérios de abstinência caso interrompam ou reduzam o consumo de álcool.

Aumenta a chance de desenvolver Covid-19

Estudos indicam que o aumento do consumo de álcool pode tornar uma pessoa mais vulnerável à Covid-19, pois há uma forte relação entre a quantidade de álcool ingerida e o aumento da exposição ao vírus.

As medidas tomadas para conter a pandemia podem ser muito prejudiciais para os pacientes que têm algum tipo de dependência química. O distanciamento social pode levar ao uso indevido de álcool, à recaída de dependência e potencial desenvolvimento de transtorno de alcoolismo.

É importante observar os sinais de alerta e procurar ajuda profissional tanto para casos de recaída quanto para aqueles que possam intensificar o consumo, principalmente se tiver algum transtorno psiquiátrico associado (comorbidade).

José Aires Maggi Coelho

Médico Psiquiatra

CRM-SC 12.189 | RQE 17.439

jose.aires@injq.com.br

Destaques
Mais Recentes
Biblioteca

INSTITUTO DE NEUROCIÊNCIAS DR. JOÃO QUEVEDO

NEUROCIÊNCIA, PSIQUIATRIA E ENSINO PARA VIVER MELHOR

Ligue  0800-006-2307 | contato@injq.com.br

 

PSIQUIATRIA | NEUROLOGIA | DEPENDÊNCIA QUÍMICA  

CONSULTAS | ATENDIMENTO DOMICILIAR | INTERNAÇÃO

CRIANÇAS E ADOLESCENTES | ADULTOS | IDOSOS

  • Instagram Instituto João Quevedo
  • Facebook Instituto João Quevedo

Acompanhe as novidades

nas mídias sociais.

Diretora Técnica Médica (Criciúma):

Drª. Kelen Cancellier Cechinel Recco

CRM-SC 13.394 | RQE 10.277

Diretora Técnica Médica (Araranguá):

Drª. Ritele Hernandez da Silva

CRM-SC 11.444 | RQE 11.334

Diretor Técnico Médico (Turvo):

Dr. Rafael Arceno

CRM-SC 18.994 | RQE 14.708