Blog do InJQ

Buscar
  • Dr.ª Kelen Cancellier Cechinel Recco

Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) ou Eletroconvulsoterapia (ECT)?

Muitas pessoas confundem a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) com a Eletroconvulsoterapia (ECT), popularmente estigmatizada como "eletrochoque", mas ambas técnicas de neuromodulação possuem grandes diferenças entre elas.



EMT e ECT: técnicas de neuromodulação


Os transtornos mentais resistentes ao tratamento trazem grande sofrimento ao paciente, tanto pela condição clínica, como pela falta de esperança por não verem resposta suficiente nos medicamentos usados. Felizmente, outras formas de terapias podem ser indicadas a esses indivíduos, como a Neuromodulação.


A neuromodulação é o ato de reorganizar as transmissões de informações do sistema nervoso. Dentre as técnicas de neuromodulação, estão a Eletroconvulsoterapia (ECT) e a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT).


ECT e EMT: diferenças e semelhanças


Os dois procedimentos:


  • são considerado não invasivos;

  • possuem eficácia bem estabelecida para certos transtornos mentais;

  • são aprovados por diversos órgãos reguladores;

  • são disponíveis clinicamente.


Na ECT, eletrodos são colocados sobre o couro cabeludo do(a) paciente e, por meio de uma corrente elétrica entre eles, uma convulsão controlada é induzida no cérebro.


Já a EMT utiliza-se de bobinas que produzem um campo eletromagnético em uma região do cérebro, autogerando uma corrente elétrica que estimula aquela região.


Pelo estado convulsivo, a ECT necessita de anestesia e relaxantes musculares para evitar danos físicos e cognitivos (essa técnica possui um pouco mais de efeitos colaterais), e a EMT não precisa de anestesia, e os efeitos colaterais geralmente são mais leves e menos frequentes a cada nova sessão.


Entretanto, mesmo sem precisar de anestesia na EMT e com o paciente acordado, as duas devem ser cuidadosamente monitoradas por uma equipe médica.


O tempo de tratamento das duas pode variar de dias a semanas, a depender do quadro.


EMT e ECT: qual fazer?


Quando alguém é candidato(a) a essas terapias, são levados em conta primeiramente alguns fatores:


  • os sintomas;

  • a gravidade do transtorno;

  • o risco de recorrência;

  • o risco de efeitos colaterais;

  • a tolerância do(a) paciente aos procedimentos;

  • e a própria preferência do(a) paciente.


Para isso, é imprescindível que ocorra acompanhamento com um psiquiatra para uma detalhada avaliação e indicação.


Saiba mais sobre EMT e ECT


Se você tiver interesse na técnica do EMT e quiser saber se ela é um tratamento válido para algum caso em questão, saiba mais aqui.


Se prefere conhecer outros tratamentos alternativos para depressão resistente, clique aqui.


Se prefere mais informações sobre a ECT, clique aqui.


Converse também com seu médico especialista.


Kelen Cancellier Cechinel Recco

Médica Psiquiatra

Diretora Técnica Médica do InJQ Criciúma

CRM-SC 13.394 | RQE 10.277


Colaboração: Maria Eduarda Mendes Botelho

Destaques
Mais Recentes