Blog do InJQ

Buscar
  • Dr. João Luciano de Quevedo

Estudo com Psilocibina traz resultados positivos contra Depressão Resistente

A psilocibina é um dos agentes alucinógenos naturais mais conhecidos no mundo, e seu uso farmacológico pode vir a trazer benefícios como tratamento alternativo em pacientes com Depressão Resistente ao Tratamento.



A empresa Compass Pathways anunciou resultados positivos do estudo da terapia experimental com a psilocibina COMP360 para Depressão Resistente ao Tratamento (DRT), a depressão que não melhora após dois ou mais tratamentos antidepressivos adequados. A Compass é uma empresa de saúde mental dedicada a acelerar o acesso do paciente à inovação baseada em evidências em saúde mental.


Este é o maior estudo randomizado, controlado e duplo-cego sobre terapia com psilocibina já concluído. Ela mostra resposta rápida e sustentada para pacientes que recebem uma dose única de psilocibina COMP360 com apoio psicológico. O objetivo do estudo foi encontrar a dose apropriada para um programa principal de fase III maior, que a Compass espera começar em 2022.


A Compass anunciou em 9 de novembro de 2021 que o ensaio clínico inovador de fase IIb de terapia com psilocibina COMP360 para DRT atingiu o desfecho primário para a dose mais alta, de 25 mg, demonstrando uma redução estatisticamente significativa e clinicamente relevante na gravidade dos sintomas depressivos após três semanas, com uma resposta adequada.


Sobre o estudo


O estudo de fase IIb foi um estudo de determinação de dose, avaliando a segurança e eficácia da terapia com psilocibina COMP360 em três doses: 1 mg, 10 mg, 25 mg.


Um total de 233 pacientes inscritos no estudo foram randomizados e cegos em três braços compreendendo 79 pacientes para cada uma das doses de 25 mg e 1 mg, e 75 pacientes para a dose de 10 mg. Os pacientes foram acompanhados por 12 semanas.


No estudo randomizado, controlado e duplo-cego, uma dose única de psilocibina COMP360 experimental foi administrada a 233 pacientes em conjunto com o apoio psicológico de terapeutas especialmente treinados.


Todos os pacientes interromperam os antidepressivos antes da participação. O estudo foi desenvolvido para comparar duas doses ativas de COMP360 (25 mg e 10 mg) contra uma dose de 1 mg de comparador.


Resultados técnicos


Na semana 3 (p <0,001), o grupo de 25 mg vs o grupo de 1 mg mostrou uma diferença de -6,6 na escala de classificação de depressão de Montgomery-Åsberg (MADRS), uma escala amplamente usada e aceita para avaliar a depressão.


O grupo de 25 mg demonstrou significância estatística no endpoint de eficácia de MADRS no dia após a administração de psilocibina COMP360 (p=0,002) - o endpoint primário é a mudança na pontuação total de MADRS desde o início até a semana 3.


A dose de 10 mg vs 1 mg não mostrou uma diferença estatisticamente significativa na semana 3. O MADRS foi avaliado por avaliadores independentes que estavam distantes do local do ensaio e cegos para a intervenção e o desenho do estudo, criando efetivamente um triplo-cego.


Pelo menos duas vezes o número de pacientes no grupo de 25 mg apresentou resposta e remissão na semana 3 e na semana 12, em comparação com o grupo de 1 mg. A resposta sustentada definida pelo protocolo até a semana 12 foi o dobro, com 20,3% dos pacientes no grupo de 25 mg vs 10,1% no grupo de 1 mg. Usando uma definição de resposta sustentada que é consistente com outros estudos de DRT, a diferença foi mais do que o dobro, com 24,1% dos pacientes no grupo de 25 mg vs 10,1% no grupo de 1 mg.


Resultados comportamentais


O COMP360 foi geralmente bem tolerado, com mais de 90% dos eventos adversos emergentes do tratamento (TEAEs) sendo de gravidade leve ou moderada. 179 pacientes relataram pelo menos um TEAE; os TEAEs mais comuns entre os grupos de tratamento (incidência geral> 10%) foram dor de cabeça, náusea, fadiga e insônia.


Houve 12 pacientes que relataram eventos adversos graves emergentes do tratamento (TESAEs). Esses TESAEs incluíram comportamento suicida, autolesão intencional e ideação suicida, que são regularmente observados em uma população de pacientes com depressão resistente ao tratamento e que ocorreram com mais frequência no grupo de 25 mg do que nos grupos de 10 mg ou 1 mg.


No geral, 209 pacientes completaram o estudo; ocorreram cinco retiradas do grupo de 25mg, nove do grupo de 10mg e 10 do grupo de 1mg.


Importância do estudo


Este ensaio clínico randomizado, controlado, multicêntrico e duplo-cego de fase IIb é o maior ensaio clínico de terapia com psilocibina já realizado, com 233 pacientes de 10 países da América do Norte e Europa. 94% dos pacientes não tinham experiência anterior com psilocibina.


Mais de 100 milhões de pessoas em todo o mundo são afetadas pela DRT, e até 30% delas tentam o suicídio pelo menos uma vez durante a vida. A população com DRT é, por definição, mais difícil de tratar e com maior probabilidade de recorrência do que os pacientes com transtorno depressivo maior em geral.


Em 2018, a Compass recebeu a designação FDA Breakthrough Therapy para sua terapia com psilocibina COMP360 para TRD.


Principais conclusões


  • COMP360 25mg vs 1mg: uma diferença de -6,6 pontos na mudança da linha de base nas pontuações totais de MADRS na semana 3 (p <0,001), com uma diferença estatisticamente significativa vista do dia 2 até a semana 6;

  • COMP360 10mg vs 1mg: uma diferença numérica de tratamento não estatisticamente significativa de -2,5 pontos na semana 3 (p = 0,184);

  • Pelo menos o dobro do número de respondedores MADRS, remetentes e respondedores sustentados com 25 mg vs 1 mg; resposta rápida e remissão do dia 2 à semana 3: 36,7% (29 pacientes) no grupo de 25 mg apresentaram resposta na semana 3, em comparação com 17,7% (14 pacientes) no grupo de 1 mg; 29,1% (23 pacientes) no grupo de 25 mg estavam em remissão na semana 3, em comparação com 7,6% (6 pacientes) no grupo de 1 mg; 24,1% (19 pacientes) no grupo de 25 mg foram respondedores sustentados na semana 12, em comparação com 10,1% (8 pacientes) no grupo de 1 mg;

  • COMP360 foi geralmente bem tolerado, com mais de 90% dos eventos adversos emergentes do tratamento (TEAEs) de gravidade leve ou moderada;

  • Incidência de eventos adversos emergentes do tratamento (TEAE): 83,5% (66 pacientes) no grupo de 25 mg; 74,7% (56 pacientes) no grupo de 10 mg; 72,2% (57 pacientes) no grupo de 1 mg;

  • Incidência de eventos adversos graves de emergência de tratamento (TESAE): 6,3% (5 pacientes) no grupo de 25 mg; 8,0% (6 pacientes) no grupo de 10 mg; 1,3% (1 paciente) no grupo de 1 mg.


Além desses dados de primeira linha, a Compass está conduzindo análises secundárias abrangentes que devem fornecer informações adicionais ao programa de desenvolvimento clínico para a terapia com psilocibina COMP360. Nesse ínterim, esses dados promissores de primeira linha serão compartilhados de maneira expedita com os reguladores como parte de um diálogo contínuo.


Referências

  • WHO (2017). Depression and Other Common Mental Disorders Global Health Estimates

  • Al-Harbi KS. Treatment-resistant depression: therapeutic trends, challenges, and future directions. Patient Preference and Adherence. 2012; 6: 369–388.

  • Bergfeld IO, Mantione M, Figee M, Schuurman PR, Lok A, Denys D. Treatment-resistant depression and suicidality. Journal of Affective Disorders. 2018;235:362-367.

  • Dong M, Lu L, Zhang L, et al. Prevalence of suicide attempts in bipolar disorder: a systematic review and meta-analysis of observational studies. Epidemiology and Psychiatric Sciences. 2020;29:e63.

  • WHO (2012). Depression: A Global Crisis

  • Al-Harbi KS. Treatment-resistant depression: therapeutic trends, challenges, and future directions. Patient Preference and Adherence. 2012; 6: 369–388.

  • Gang L, Fife D, Wong G, Sheehan JJ, et al. All-cause mortality in patients with treatment-resistant depression: a cohort study in the US population. Annuals of General Psychiatry. 2019; 18:23.


Fonte original: COMPASS Pathways announces positive topline results from groundbreaking phas IIb trial of investigational COMP360 psilocybin therapy for treatment-resistant depression




João Luciano de Quevedo

Médico Psiquiatra - Doutor em Ciências Biológicas

CRM-SC 9.060 | RQE 5.058

Coordenador do Programa de Psiquiatria Translacional e Diretor da Clínica de Depressão Resistente ao Tratamento da Universidade do Texas (UTHealth), EUA.

Destaques