20-07-27-Depressao-Resistente-Post.jpg

Transtornos Resistentes

 

Cetamina (Ketamina)

e Escetamina

A Cetamina (ou Ketamina) e sua derivação Escetamina são medicamentos anestésicos que também têm efeito antidepressivo quando usados em quantidade muito baixa.

 

Os resultados de pesquisa mostram que essas drogas têm um efeito rápido e duradouro, tanto para a melhora de sintomas depressivos quanto para o alívio de pensamentos suicidas.

 

Além disso, pesquisas recentes também mostram potencial para o tratamento do Transtorno de Estresse Pós-traumático e da Dependência do Álcool.

Aprovada no Brasil em 2020, a Escetamina já é uma realidade devidamente regulamentada, e sua aplicação precisa ser feita por médicos e hospitais autorizados.

#BlogdoInJQ | Artigos sobre Cetamina e Escetamina

1
2

Depressão Resistente

Consideramos Transtorno Depressivo Resistente ao Tratamento o quadro clínico de depressão em que o paciente não responde bem aos tratamentos iniciais prescritos por médico responsável, ou seja, quando os medicamentos causam muito pouco ou nenhum efeito positivo, durante um tempo estipulado de observação dos sintomas pelo clínico ou especialista.

 

Estima-se que, no Brasil, entre 10% e 30% dos casos de depressão sejam resistentes aos tratamentos iniciais. Porém, a ciência e a psiquiatria têm buscado alternativas para a Depressão Resistente.

 

Teste Farmacogenético

Uma possibilidade que existe para facilitar a seleção do medicamento mais indicado para um paciente com algum Transtorno Resistente é o Teste Farmacogenético.

Esse teste avalia as caraterísticas genéticas de cada paciente e as relaciona com as medicações disponíveis para testagem, identificando quais delas apresentam maior possibilidade de resposta positiva e/ou efeitos colaterais importantes, além de indicar alterações em genes que parecem contribuir para sintomas depressivos.