Blog do InJQ

Buscar
  • Dr.ª Ritele Hernandez da Silva

Outubro Rosa: a saúde mental no diagnóstico de câncer

Neste Outubro Rosa, o InJQ ressalta a importância da saúde mental quando nos deparamos com um diagnóstico de câncer. Tanto em nós mesmos quanto em alguma pessoa que amamos, descobrir um câncer sempre reflete no nosso mental e emocional. O que fazer nesses casos? A saúde mental pode ajudar nos tratamentos do câncer e nos auxiliar a ter uma qualidade de vida o melhor possível durante essa nova realidade.


Outubro Rosa e os cânceres


Família, estudos, trabalho... O dia parece não ter horas suficientes! Nesse turbilhão de atividades, as mulheres com frequência têm dificuldade de olhar para si. Por isso, o Outubro Rosa tem o objetivo de chamar a atenção para o autocuidado.


O Outubro Rosa é conhecido mundialmente pelas ações voltadas à prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama, principalmente nas mulheres. O movimento acontece desde os anos 90 e tem o objetivo de compartilhar informações sobre os cânceres de mama e o de colo de útero.


Se identificados precocemente, as chances de cura são elevadas. Nesse processo, as avaliações de rotina são necessárias.



Saúde Mental e o câncer

É extremamente importante esse mesmo olhar também em relação à saúde mental. A maioria dos transtornos mentais geralmente têm uma melhor evolução quando identificados logo no início dos sintomas.


Além disso, sintomas ansiosos e depressivos são frequentes em pacientes acometidos por câncer. Muitas vezes, as angústias e dificuldades vivenciadas durante o tratamento estão relacionadas.


Por isso, o Outubro Rosa também chama a atenção para saúde como um todo. O autocuidado precisa estar entre as prioridades do dia a dia.


Transtornos mentais na luta contra o câncer


Uma pesquisa feita pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) analisou 233 pacientes. Desses, 55% eram diagnosticados com algum tipo de câncer e estavam em processo de quimioterapia (e 37% já estava na luta há mais de 3 anos).


Assim, a pesquisa identificou que mais de 30% dos pacientes sofriam possivelmente de ansiedade e mais de 26%, de depressão. Em outras palavras, mais de um quarto dos entrevistados demonstraram sintomas psiquiátricos.


A pesquisa concluiu que "a ansiedade e depressão são distúrbios prevalentes em pacientes oncológicos". Além disso, "esses transtornos psiquiátricos afetam a adesão ao tratamento, a qualidade de vida e podem influenciar na evolução do câncer".



Ansiedade e depressão junto ao câncer de mama


A pesquisa ressaltou ainda que o câncer de mama se destaca quando se trata de transtornos mentais associados. Nas palavras dos pesquisadores:


"A literatura aponta que o câncer de mama é o tipo com maior prevalência de comorbidades psiquiátricas e, em decorrência da predominância do mesmo no estudo, o câncer de mama aparece com a maior porcentagem de triagem positiva tanto para ansiedade quanto para depressão."

Por isso, o Outubro Rosa precisa também estar diretamente relacionado à saúde mental, especialmente das mulheres. As mulheres representam 99% dos diagnósticos de câncer de mama, ou seja, apenas 1 em cada 100 pacientes com câncer de mama é homem.


Procure um especialista, cuide de sua saúde!


Ritele Hernandez da Silva

Médica Psiquiatra

CRM-SC 11.444 | RQE 11.334

Destaques
Mais Recentes
Biblioteca

INSTITUTO DE NEUROCIÊNCIAS DR. JOÃO QUEVEDO

NEUROCIÊNCIA, PSIQUIATRIA E ENSINO PARA VIVER MELHOR

Ligue  0800-006-2307 | contato@injq.com.br

 

PSIQUIATRIA | NEUROLOGIA | DEPENDÊNCIA QUÍMICA  

CONSULTAS | ATENDIMENTO DOMICILIAR | INTERNAÇÃO

CRIANÇAS E ADOLESCENTES | ADULTOS | IDOSOS

  • Instagram Instituto João Quevedo
  • Facebook Instituto João Quevedo

Acompanhe as novidades

nas mídias sociais.

Diretora Técnica Médica (Criciúma):

Drª. Kelen Cancellier Cechinel Recco

CRM-SC 13.394 | RQE 10.277

Diretora Técnica Médica (Araranguá):

Drª. Ritele Hernandez da Silva

CRM-SC 11.444 | RQE 11.334

Diretor Técnico Médico (Turvo):

Dr. Rafael Arceno

CRM-SC 18.994 | RQE 14.708